Quarta-feira, 30 de Setembro de 2009
GIRASSÓIS DE NÓS
IMG_2410a

Olá, boa tarde a todos. Sei que estou em falta no compromisso de enviar fotos de viagem, mas, como a "crise" gera desemprego e parece já todos terem feito as vindimas, não quererão ajudar-me na apanha do milho e do girassol?

(O meu é mais graúdo do que o de muitos que recebem subsídios...). Entretanto, com o rol de promessas que para aí vai, pode ser que as coisas melhorem. Um grande abraço.
Manuel Cardoso

À CONVERSA....

Manuel, continuas em grande forma e a demonstrar-nos para que é que isto, sim, a animus.60, pode servir: de que presente se faz o nosso passado!Não corrijo nem um pontinho. Ou seja, porque tivemos um passado comum, podemos, agora, viver em comum este presente que, à tua semelhança, partilhamos nesta nossa comunid@de. Nada a temer, portanto, ao contrário do que aqui e ali temos ouvido e que, em parte, justifica este silêncio, que, amigos como tu, ajudam a quebrar!

Manel, longe mim querer competir contigo, mas.... este ano, apesar de tudo, ainda consegui arranjar uns girassois para, saudavelmente, competirem com os teus!!! Grande abraço e ... boas descamisadas  nas fartas eiras de Proença!

280820091176 

 

 

 

 

 

 

 

 

antónio colaço

___________________________________________

Olá velho companheiro.

Ora aí está um Fazendeiro equipado a rigor.

Acredita que tenho inveja dessas cores saudáveis, do cheiro do milho e do girassol (deste nem sei bem qual é o cheiro) e, sobretudo, do ar puro que por aí ainda se vai respirando.

Vai acompanhando o mosto, trata bem a água-pé e prepara bem a pinga nova porque, lá mais para a frente, quando também houver uma febras na bancada (esse milho certamente que vai ser devorado por algum bichinho que tenhas aí nalgum curral e que nos dias frios venha a cumprir a sua função), talvez haja alguns forasteiros que não se importassem de as compartilhar contigo (ninguém te mandou fazer publicidade ao milho e ao girassol).

Desde já apelo aos destinatários para se começarem a organizar!

Um grande abraço e boas colheitas

Silvério Mateus

_____________________________________________

Meus Caros !

 

Óh, Silvério e Manuel Cardoso , e que tal  aguardar pelo azeite novo para acompanhar ( uma tiborna num dos lagares da zona ainda em actividade) , com as febras e aqueles enchidos e aquele pão de centeio que ainda se consegue em algumas aldeias lá da zona ?

Bom , mas nada de abusos , senão o colesterol ...

Para quem esteja , hoje , aqui pela zona de Lisboa e dispense o futebol , poderá assisitir à inauguração do orgão da Igreja dos Jerónimos , pelas 21.30 horas.

 Um Abraço

 Ventura


publicado por animo às 12:59
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 28 de Setembro de 2009
A FALA DAS URNAS.UMA NOVA MAIORIA.A DOS QUE MAIS PRECISAM
270920091690a

 

 

 

 

 

 

 

 

(Editado, aqui, ontem, às 20.30)

 

Imagem da única rosa colhida, esta tarde, no meu Vale das Árvores. Quase ao fechar das urnas, um botão a desabrochar.

É tempo de assumir que o caminho se faz com mais gente. Gente do lado do pão, da paz e da justiça para os que mais precisam. Gente do lado da maioria.

Viva a nova maioria.

Tem de ser Melhor. Tem de ser Maior.

Com todos. A Esquerda TODA.

antónio colaço*

Um post assumidamente pouco correcto.Politicamente falando...depois da fala das urnas! Uma fala...correcta!Não há volta a dar!

Acredito no ânimo de José Sócrates para fazer todas as pontes com as esquerdas! Todas.

_______________________________________________

DEBATE

_______________________________________________

alcains67bc

 

 

 

 

 

 

Um abraço, Colaço.

Concordo contigo quanto ao que escreves no sentido de esta Nova Maioria aprofundar os princípios de igualdade de oportunidades/mais concursos públicos para o preenchimento dos lugares na Administração Pública, tornar o aparelho de Estado cada vez mais imune aos humores do poder político, de tentar conciliar firmeza com a transparência dos fundamentos das decisões, etc, etc.  

Dificuldades de sobra, com certeza, mas com debate, discussão, as chaves das soluções estarão ao dispor de muitos mais.

 

Carlos Sousa

________________________________________________

( Mário Pissarra, um texto recuperado dos comentários, por minha iniciativa, e embrulhando um celofane de fabulosa poesia de Eduardo Jesus Bento.

Só agora  dei por ele, já que o tempo para estas coisas vai escasseando ( ah" pois é!!!Mas não desistimos! Vamos alargar esta reflexão em voz alta?!

Estou habituado ao politicamente incorrecto só que, como se vê, as urnas lá nos vão dando razão, a nós, os que tentamos meter alguns pauzinhos na "engrenagem" como quem tenta ir a tempo de antecipar....as tantas "cruzes" de que fala o Mário! Obrigado por partilhares connosco o teu sentido de voto. Votos de que nunca mais precises de olhar para o lado! ac)

 M Pissarrabc




  1.  





  2.  





  3.  





  4.  



 

 

Dia 26 de Setembro fui à Biblioteca de Torres Novas ao lançamento do livro (O Nevoeiro dos Dias — 65 poemas) do meu grande amigo Eduardo de Jesus Bento. Gostaria de dedicar a todos os amigos deste blog a dedicatória que teve a amabilidade de escrever: Mário, digo apenas: as ocasiões, todas, são para os amigos. Obrigado, Eduardo. Só espero que todos tenhamos e voz e os gestos para celebrar a amizade!
Hoje, 27 de Setembro, fui votar. Olhei para o boletim, virei os olhos para o outro lado, fechei-os e fiz uma cruz. A saliva foi insuficiente para debelar o embaraço e a secura da garganta. Chegado a casa, continuei e acabei de ler os 65 poemas (comemorou desta forma original os seu sexagésimo quinto aniversário…) e transcrevo o poema Nós, que é o que melhor traduz o meu estado de espírito:

Lentos são os pássaros neste tempo apressado.
Buscam o leito seco dos rios.
É a aridez que conduz os pássaros
E os homens retardatários buscam
ainda algum abrigo,
em vão!
Não há porto, nem barco, nem água…
A secura apoderou-se das planícies.
Os sonhos mortos às portas da alegria
fenecem com fúnebres corolas
que acompanham os mortos.
Somos nós os mortos
E trazemos na alma o esquecimento
do sereno crepúsculo, do som da fonte, do regresso dos rebanhos.

 Eduardo de Jesus Bento

 

Um abraço de amizade para todos os que se sentem unidos pelo blog

  Mário Pissarra

__________________________________________

18072009367

 

 

 

 

 

 

 

E, já agora, meu caro Colaço, que esta "nova maioria" não olhe apenas para um lado, que olhe também para a direita (não, não me refiro a outras direitas que não precisam que olhem por elas), que olhe para o interior profundo, esquecido, desertificado, que nem sempre sabe reivindicar. Quanto ao resto, estou como dizia alguém, não os invejo, diria até que a sorte nem sempre é dos vencedores.
Um abraço
Silvério Mateus


publicado por animo às 13:02
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 24 de Setembro de 2009
O SILÊNCIO QUE SE ABATE SOBRE NÓS
Já que optamos pelo silêncio, aqui neste lugar, escutemos o que o Pe Anselmo Borges  nos tem a dizer para percebermos se é deste silêncio que o nosso se faz!!!!.ac

_________________________________________________

anselmo12a

 

 

 

 

 

 

 

 

Pe. Anselmo Borges

In Diário de Notícias ( 19.Set.09)

No meio da vertigem das tempestades de palavras em que vivemos, que nos atordoam e paralisam, talvez se torne urgente parar. Para ouvir.

Ouvir o quê? Ouvir o silêncio. E só depois de ouvir o silêncio será possível falar, falar com sentido e palavras novas, seminais, iluminadas e iluminantes, criadoras. De verdade. Onde se acendem as palavras novas, seminais, iluminadas e iluminantes, criadoras, e a Poesia, senão no silêncio, talvez melhor, na Palavra originária que fala no silêncio?

Ouvir o quê? Ouvir a voz da consciência, que sussurra ou grita no silêncio. Quem a ouve?

Ouvir o quê? Ouvir música, a grande música, aquela que diz o indizível e nos transporta lá, lá ao donde somos e para onde verdadeiramente queremos ir: a nossa morada.

Ouvir o quê? Ouvir os gemidos dos pobres, os gritos dos explorados, dos abandonados, dos que não podem falar, das vítimas das injustiças.

Ouvir o quê? Talvez Deus – um dia ouvi Jacques Lacan dizer que os teólogos não acreditam em Deus, porque falam demasiado dele -, o Deus que, no meio do barulho, só está presente pela ausência.

Ouvir o quê? Ouvir a sabedoria. Sócrates, o mártir da Filosofia, que só sabia que não sabia, consagrou a vida a confrontar a retórica sofística com a arrogância da ignorância e a urgência da busca da verdade. Falava, depois de ouvir o seu daímon, a voz do deus e da consciência.

Ninguém sabe se Deus existe ou não. Como escreve o filósofo André Comte-Sponville, tanto aquele que diz: “Eu sei que Deus não existe” como aquele que diz: “Eu sei que Deus existe” é “um imbecil que toma a fé por um saber”. Deus não é “objecto” de saber, mas de fé. E há razões para acreditar e razões para não acreditar.

Comte-Sponville não crê, apresentando argumentos, mas compreendendo também os argumentos de quem crê. Numa obra sua recente, L’Esprit de l’athéisme, mostra razões para não crer, mas sublinhando a urgência de pensar, se se não quiser cair no perigo iminente de fanatismos e do niilismo, e, consequentemente, na barbárie, “uma espiritualidade sem Deus”.

Constituinte dessa espiritualidade, no quadro de um “ateísmo místico”, é precisamente o silêncio. “Silêncio do mar. Silêncio do vento. Silêncio do sábio, mesmo quando fala. Basta calar-se, ou, melhor, fazer silêncio em si (calar-se é fácil, fazer silêncio é outra coisa), para que só haja a verdade, que todo o discurso supõe, verdade que os contém a todos e que nenhum contém. Verdade do silêncio: silêncio da verdade.”

Encontrei Raul Solnado apenas uma vez. Num casamento. Surpreendeu-me a imagem que me ficou: a de um homem reflexivo. Não professava nenhuma religião. Por isso, não teve funeral religioso. Mas deixou um pequeno escrito, com uma experiência, no silêncio, na Expo, em Lisboa, em 2007.

“Numa das vezes que fui à Expo, em Lisboa, descobri, estranhamente, uma pequena sala completamente despojada, apenas com meia dúzia de bancos corridos. Nada mais tinha. Não existia ali qualquer sinal religioso e por essa razão pensei que aquele espaço se tratava de um templo grandioso. Quase como um espanto, senti uma sensação que nunca sentira antes e, de repente, uma vontade de rezar não sei a quem ou a quê. Sentei-me num daqueles bancos, fechei os olhos, apertei as mãos, entrelacei os dedos e comecei a sentir uma emoção rara, um silêncio absoluto. Tudo o que pensava só poderia ser trazido por um Deus que ali deveria viver e que me envolvia no meu corpo amolecido. O meu pensamento aquietou-se naquele pasmo deslumbrante, naquela serenidade, naquela paz. Quando os meus olhos se abriram, aquele Deus tinha desaparecido em qualquer canto que só Ele conhece, um canto que nunca ninguém conheceu e quando saí daquela porta, corri para a beira do rio para dar um grito de gratidão à minha alma, e sorri para o Universo. Aquela vírgula de tempo foi o mais belo minuto de silêncio que iluminou a minha vida e fez com que eu me reencontrasse. Resta-me a esperança de que, num tempo que seja breve, me volte a acontecer. Que esse meu Deus assim queira.”

In Diário de Notícias ( 19.Set.09)


publicado por animo às 14:41
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 22 de Setembro de 2009
ABRANTES.NOVO ARQUIVO VELHA MENTALIDADE
130920091539

190920091621

190920091601

190920091598

 

 

 

 

 

 

 

E pronto, está inaugurado o novo Arquivo Municipal. O presidente da Câmara Municipal de Abrantes, na sua intervenção, deu conhecimento aos presentes e agradeceu a colaboração do arq.º João Colaço, como autor do projecto, numa referência que é de aplaudir. A sua influência ainda não se fez sentir foi que na tradicional placa inaugurativa, pelo menos o nome do autor lá ficasse consignado.

É uma transformação de mentalidades, eu sei, mas que terá de encontrar aliados a começar pela comunicação social. Um arquitecto da Câmara não deixa de ser um autor e como tal com os seus direitos de autor consagrados. Esta imagem aqui fica à espera da placa inaugurativa do polémico MIA-MUSEU IBÉRICO DE ARTE. Aí, depois, continuaremos a conversa.

190920091623

 

 

 

 

 

 

 

 

Não é uma questão de defesa das crias, como dizia a um amigo há dias, mas esta coisa dos nomes - sendo que eu próprio, graças à querida Zita Seabra, passei as passas do Algarve...adiante - remexe-me as entranhas! Por isso, meu caro arqtº João Colaço*, hoje, aqui e agora é como se o seu nome estivesse para sempre gravado naquela placa. Melhor, a sua imagem, a sua pessoa, sentado sob a sua belíssima pala, como que acolhendo e preservando, defendendo, todo o fabuloso espólio da nossa terra.

Muito obrigado e parabéns pela sua primeira obra.

antónio colaço

*Não porque seja meu filho mas para que os filhos dos outros, um destes dias, vejam os seus direitos de autor plenamente consagrados.


publicado por animo às 15:20
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 21 de Setembro de 2009
TODOS AO 12º FESTIVAL INTERNACIONAL DE ÓRGÃO
Não. O órgão da Matriz de Mação não integra o Programa do 12º Festival Internacional de Órgão deste ano.

Consulte o Programa e não perca nenhuma das sessões. Infelizmente as muitas tarefas impediram, ao contrário do que é costume, participar na Abertura. Pelo menos, contamos aparecer pelos Jerónimos.

Por isso, demos um pulo até ao órgão da Matriz de Mação(Sec XVII), com uma breve visita prévia que partilhamos convosco. Não, o problema não é de algumas palhetas desafinadas e sim do executante, um aprendiz de sons a quem aquela fabulosa peça agradece, pelo menos, algumas improvisadas festinhas. Nada mais do que isso. O órgão agradece, como se pode ler aqui!

O "organista é um bom organista ..." e na linha de alguns comentários anteriores, tentou, em 1980, a aprendizagem no Conservatório Regional de Tomar que, de uma vez por todas, desse consistência a um irreprimivível autodidatismo.Um acidente de automóvel interromperia tão saudável aspiração! Estavam por lá, entre outros, o prof Antoine Sibertin Blanc,hoje, organista titular da Sé Patriarcal de Lisboa, então nosso professor de Canto Coral ( foi lá que fomos companheiros de carteira dessa grande estrela Carlos Moisés, dos Quinta do Bill!Ah! Carlos, saudades da Dª Tamagnini e suas exigências!!!)

antónio colaço

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=F0YfDVzxCL8]

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=ExTnIuITfs4]


publicado por animo às 17:10
link do post | comentar | favorito
|

PARTICIPAR NO ANO.63?!"NÃO TENHO VIDA PARA ISSO"
Meu caro António, saúde, como costumas dizer.

Gostava muito de poder perceber o silêncio que se abateu sobre o nosso sítio (sim, sei que já leste o Pe Anselmo no passado sábado mas, estranhamente, ainda o não publicaste, adiante).

Há muito que ando para escrever-te, a ti e aos nossos amigos, aos nossos, se quiseres, para te citar, pois, embora nunca tenha participado, não passo nenhum dia que por aqui não passe a  mirar os olhos sobre o que se passa.

Hoje, enchi-me de coragem e disse, vou aproveitar quinze minutos do meu almoço para lançar um grito a partir da minha própria experiência quebrando, assim ( em parte, uma vez que não quero identificar-me ainda) uma cumplicidade com este silêncio que, de todo, não quero.

Sei que paira na tua cabeça uma vontade de deixares morrer isto por asfixia (não, não vejas nisto nenhum ataque tipo da Manuela ao teu partido...) quer dizer, por falta do ar das nossas colaborações e que te sentes mal julgando-nos a apontar-te o dedo a uma insaciável vontade de protagonismo.

Venho pedir-te que não prejudiques a tua vida pessoal - soube pelo FS que vais iniciar mais um novo ano na licenciatura de Estudos Artísticos e que interrompeste a de Estudos Sociais em consequência do descolamento de retina ocorrido o ano passado. Aqui entre nós, sei que estudar, para ti, não é um fim, antes, um meio de querer saber sempre mais.Sem que me identifique, ainda, ficas a saber que estava no Porto quando, no início do 3º ano do ISET, resolveste abandonar a "vocação", porque já não te dizia nada, prejudicando, assim, a tua vida académica, já que, ao tempo, só o 3º ano de Filosofia-Teologia é que dava equivalência ao 7º ano - dizia, que não prejudiques a tua vida pessoal para manter de pé, on line, esta nossa página.

Mas, tens de continuar. Eu preciso. Há toda uma revisão da matéria que me está a fazer imenso bem, confesso. Dois ou três dedos de conversa com outros nossos antigos companheiros de "armas", mas que também ainda não apareceram, confirma o que digo.

Às vezes, irrito-me com os teus excessivos apelos à nossa participação e, confesso-te, só me apetece dizer-te , "tu julgas que eu tenho a tua vida?Desaparece, não tenho vida para isso!!"

Hoje, António, ( Tózé, como te chamavam em Gavião, lembras-te? mas não te zangues comigo!) peço-te, do coração, não acabes com o "ano.63" e, muito menos, desistas da festa do reencontro para o ano em Alcains.Prometo que voltarei a escrever sobre algumas coisas do meu dia-a-dia, como me parece ser o espírito, e acredita que apenas deves preocupar-te com aqueles que, de livre vontade, aceitam vir aqui partilhar o que quiserem.

 Aqueles de entre nós a quem lhes pode cair os parentes na lama ( desculpem-me, mas tinha de o dizer) só temos de aguardar que chegue a sua hora, tal como me aconteceu, hoje, a mim, de perceberem que, afinal, independentemente de qual tenha sido o seu percurso, mais sob a mira dos holofotes ou em posições de destaque, no silêncio dos gabinetes e mesmo em cargos mais humildes, mas não menos dignos, uma coisa é certa, ninguém nos pode roubar os primeiros dias em que, fora da alçada dos nossos pais, começámos a tornar-nos gente. Nunca fui a nenhum dos  encontros que tens dinamizado mas, acredita, não vais, agora, deitar por terra aquele que é um dos meus sonhos para o novo ano.

Só por isso saí em defesa deste nosso projecto. Mesmo que sem coragem para assumir ainda a verdadeira identidade. Tens-me à perna!

Um abraço para todos

S.

(simplesmente!)

NR - Amigo S., de facto, S., está violada uma das poucas regras desta casa, o assinar por baixo, o dar a cara, mas, em face das amigáveis provocações, vamos abrir uma excepção e, sobretudo, tudo fazer para que S. em breve se revele. É certo que o ritmo de edição vai abrandar, pelo menos da nossa parte, mas todos os dias consultaremos o correio para proceder à imediata publicação do que nos chegar. Quanto aos nossos amigos " que não têm vida para isso" o que desejamos, ardentemente, é que "tenham Vida e a tenham em abundância", para citar as escrituras. Alguma coisa há-de sobrar para nós. Obrigado, S., pela generosidade das tuas palavras e que possamos merecer a tua confiança em nós no mais curto prazo de tempo possível, para que a revelação da tua identidade possa acelerar a nossa identificação contigo, quer dizer com a tua e nossa história! ac


publicado por animo às 14:07
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 17 de Setembro de 2009
ANDA UMA VOZ EM S.BENTO....
[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=WGEJh4MhJbs]

A meio da campanha, longe do frenesi eleitoral, na antiga Capela de S.Bento, uma voz, enquanto não chegam as vozes de eleição.

antónio colaço


publicado por animo às 17:18
link do post | comentar | favorito
|

...
<a href="http://www.youtube.com/watch?v=WGEJh4MhJbs">[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=WGEJh4MhJbs]</a>

 

A meio da campanha, longe do frenesi eleitoral, na antiga Capela de S.Bento, <strong>uma voz</strong>, enquanto não chegam as <strong>vozes de eleição.</strong>

antónio colaço


publicado por animo às 17:13
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 16 de Setembro de 2009
DEFENDER AS NOSSAS CRIAS
Achei oportuno convocar para aqui este texto publicado na ânimo e na linha do que já várias vezes defendi de que a animus.60 é nossa e dos nossos.Está tudo dito.Escrevam também.ac

130920091544

 

130920091539

 

 

 

 

 

 

 

 

Estas são imagens colhidas no passado Domingo, em Abrantes, e mostram o Novo Arquivo Municipal "Eduardo Campos", que será inaugurado no próximo Sábado,19 de Setembro, pelas 10.30.

O projecto da obra é da autoria do Arquitecto João Colaço*.

Nova imagem

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Este é o Convite endereçado pela Câmara Municipal de Abrantes e no qual é omitido o nome do autor da obra.

Sendo que um Arquivo serve, entre outras coisas, para guardar, como memórias vivas, quem foi quem e o que fez, no Concelho, será que a Câmara Municipal, o seu Presidente, já não tem memória de quem foi o autor?

Ficamos a aguardar pelo Convite para a inauguração do polémico MIA, o chamado Pedregulho de Abrantes, vulgo Museu Ibérico.

O quê, não sabem quem é o autor?! Pronto, somos humildes, batem-nos mas damos a outra face, Carrilho, Carrilho da Graça!

Ironias à parte, não fica bem a uma câmara, ainda por cima socialista, para quem a valorização das pessoas está acima de tudo, passar ao lado de quem suou estopinhas para dar corpo a uma ideia que, ao princípio, parecia não querer ultrapassar a feitura de um moderno armazém de velharias documentais e nada mais. Sei do que falo.

É tempo de as câmaras municipais começarem a dar nome aos autores das suas obras, sejam eles os humildes arquitectos dos seus gabinetes ou os badalados arquitectos pagos a peso de ouro mas de quem, a reboque da sua mediática áurea , os senhores autarcas lá vão embarcando alguns dos seus desmedidos deslumbramentos.

antónio colaço

*Declaração de interesses - O Arquitecto João Colaço é meu filho e com o qual tenho grandes discussões sobre alguns dos caminhos e opções da moderna arquitectura. Era o que faltava não defender as minhas crias quando passo o tempo a defender as crias de todos os meus queridos amigos.Parabéns, grande João, e desculpa nem sempre ter-te dado toda a atenção para os mil e um esquiços com que perpetuaste a memória do "tio Eduardo Campos"!!!Parabéns, Eduardo Campos - tu que já estás nessa Eternidade inarquivável - apesar das polémicas, das distâncias do Arquivo em relação ao centro da cidade, ele ali está para nos encurtar distâncias com as memórias dos nossos antepassados. Como tu tão bem soubeste comprovar!


publicado por animo às 17:29
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Terça-feira, 15 de Setembro de 2009
LEITURA.AS CULPAS DOS OUTROS
0000078224

 

 

 

 

 

 

 

É tão fácil deitar as culpas aos outros!

Francesco Alberoni *

A vitalidade é uma força interior, uma energia que agarra a vida e transmite vida. Manifesta-se da forma mais simples, enquanto alegria de existir, no entusiasmo, no optimismo. Há pessoas que acordam felizes e saem de casa com abertura de espírito e curiosidade pelo mundo. São pessoas que sabem enfrentar situações difíceis e grandes perigos. É certo que também sofrem e têm medo, mas não se entregam ao desespero; reflectem, exploram, procuram novas soluções e acabam por encontrar uma saída.
Muitos consideram que as qualidades mais importantes para enfrentar o mundo são o rigor, a firmeza e a vontade. Na realidade, há qualidades igualmente importantes como a criatividade, a curiosidade, a flexibilidade, a capacidade de reduzir a tensão e a de retirar prazer daquilo que se faz. E, sobretudo, a capacidade de fazermos auto-análise, de examinarmos as nossas acções, reconhecemos os nossos erros e os corrigirmos imediatamente. Muitos atribuem a culpa das suas desgraças e insucessos ao azar, à maldade e à incompreensão dos outros. Lamentam-se, criticam tudo e todos e acabam por ficar tristes e enfadonhos. A verdade é que somos quase sempre nós os responsáveis pelos nossos insucessos. Porque fomos preguiçosos, porque não fizemos o necessário, porque nos sobrevalorizámos, porque fomos arrogantes, ou demasiado crédulos, ingénuos. As pessoas de grande vitalidade tentam sempre prever as consequências das suas acções e, quando as coisas correm mal, têm a capacidade de perceber onde erraram e de mudar de rumo. As personalidades realmente criativas estão em contínua regeneração e mantêm-se sempre inovadoras e jovens.

 

 
Quem tem uma vida rica sabe reconhecê-la e não a teme. São pessoas que reconhecem as qualidades positivas dos outros, aquelas que devem ser valorizadas e imitadas.

 

 

Quem tem uma vida rica transmite vida, gera vida, o que, por sua vez, transmite força, confiança, esperança, desejo de agir. São virtudes indispensáveis para quem deseja criar e construir, seja no domínio científico, seja no domínio artístico ou no político. Todas as personalidades que deixaram uma marca na história souberam sempre escolher os seus colaboradores e também convencê-los, estimulá--los, motivá-los e suscitar-lhes entusiasmo. Quem não acredita, quem não sente paixão, quem não sabe amar, não sabe dar, não produz nada e não deixa marca alguma.

Sociólogo, escritor e jornalista

In Jornal I


publicado por animo às 12:30
link do post | comentar | favorito
|

Contador
pesquisar
 
Junho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
16
17
18

19
20
21
22
23

26
28
29


posts recentes

ANIMUS DE LUGAR DE ENCONT...

ESTÁ TUDO DITO

ANIMUS O FIM há sete anos...

VEM AÍ A "ANIMUS SEMPER" ...

ANIMUS SEMPER escreve ant...

comasalpcb@gmail.com O E...

O RESPEITO NÃO SE DECRETA...

DAS ELIMINAÇÕES A CAMINHO...

ESTE BLOG TERMINA NO FINA...

NUNCA ACEITAREI REGRAS SA...

arquivos

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

links
subscrever feeds