Quinta-feira, 27 de Novembro de 2014
ALFERRAREDE NO SILÊNCIO DO CORAÇÃO escreve João Lopes

640px-Teresabernini.jpg

 

Meus caros Amigos

No silêncio do coração que tantas vezes é deserto, com uma seta apontada ao infinito, único e intransacionável recurso de quem vê o pôr do sol  aproximar-se, conquanto o quisesse bem longe, também eu tenho lindas e saborosas memórias de Alferraredel

Não imaginam  o vigor mágico desta palavra para um puto de 4 (quatro) anos, que, pelos anos fora,  sobrevive nem eu sei porquê. O comboio rodava  num "pouca terra, pouca terra" e parecia-me parado! Tia, mas o comboio  não anda! Vejo as árvores, as paredes , as flores e a água do mar( sabia lá que era o Tejo; na herdade da Retorta de Alcains, as margens da  Líria transbordavam na beirada e esse lago  era o mar!) tudo a mover-se e eu aqui no seu colo aconchegado, tia. 

E o menino de mãos dadas descia na estação ao sinal do guarda-freio ( esta palavra ainda existe?). Na caleche, um homenzarrão embrulhado numa capote de  surrabeque: - Então menina Lurdes, este é que é o sobrinho do senhor Prior? Coitadinho, tão magrinho!

E lá ia aos solavancos dos garranos até Alcaravela onde me esperava o meu tio Padre Manuel com a sua enorme lareira acesa, a  alegria radiante de um pároco de aldeia e um jardim com uma palmeira onde o vento batia nas longas noites de Inverno!

 Hoje , com 73 anos, nem a imagem  deslumbrante do  Estasi di Santa Teresa de Gian Lorenzo BERNINI , contemplada há dias na igreja de SAnta Maria della Vittoria em Roma, me faz esquecer a alegria esfuziante de um Homem de Deus que, na sua pobreza, taõ bem sabia acollher as crianças que viam pela 1ª vez um pinhal com tigelas de resina...enquanto o vento bailava nas copas finas e espinhosas da floresta de pinheiros.-  É que eu sou de um planalto deserto, seco e pedregoso como o deserto da Judeia, donde uns pobres lavradores arrancavam o pão centeio com a força dos seus braços, traquejados  nos ciclos do tempo quando estações ainda havia à superfície da Terra!.

comboioavapor.jpg

 

2604201217282.jpgkk.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 João Lopes



publicado por animo às 01:46
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 25 de Novembro de 2014
SOBRE O FUTURO QUE SE DESPRENDEU DAS MOLDURAS escreve Zé Centeio

9429104_5y6b5.jpg

 

Caro amigo Colaço,

O Ser Humano tem a mania de pretender tudo explicar, esquecendo com frequência que coisas há que não cabem na categoria do racional. Felizmente que assim é! Sem qualquer explicação plausível, a tua frase despertou e libertou em mim uma mistura de pensamentos que acabaram por me impelir para a escrita. Envio-te o modesto resultado.
Podes publicá-lo quando te der mais jeito ou quando o blog estiver mais «sossegado».
Não tem pressa.
Um grande abraço fraterno e bem-haja por nos lançares esses pequenos desafios.
 

DSC01658.jpg

 

“O futuro também pode morar nas mil e uma molduras da vida”

Há frases, gestos, olhares que, sem qualquer explicação racional, nos acompanham e despertam em nós pensamentos, sentimentos ou apenas porque nos fazem sentir bem ou nos convidam a uma paz interior onde todo o espaço é preenchido pelo silêncio. A pressa dos dias falsamente cheios de nada, atropelam-nos as ideias, confundem-nos o pensamento e arrastam-nos para uma fuga vivida à velocidade de bytes, megabytes, gigabytes e até terabytes, onde o ruído do quotidiano é barreira ao encontro com o silêncio que dentro de nós clama por voz. O que se estende para além dos muros só o silêncio o sabe e o poderá entender. Aconteceu-me com a poética da frase que o nosso amigo Colaço escreveu no Blog anunciando o meu texto sobre o encontro de Alferrarede.

Pegou-se-me à pele, ocupou-me os pensamentos durante as viagens quotidianas de autocarro e de metro e, sem pedir autorização ou rogar pelo seu espaço, instalou-se rebelde no meu silêncio. Este pedaço de prosa é a resposta à ousadia e rebeldia desse futuro que se desprendeu das molduras da vida para importunar o meu presente.

É tendência bem humana pensar que o futuro tem início no exato momento em que iniciamos – nós e não outros - um seu esboço. É assim na vida pessoal, nas organizações, na política e em todas as dimensões da vida em sociedade. Puro engano este nosso egocentrismo que, de modo tão ligeiro, nos faz esquecer de quantos tijolos ou pedacinhos de pedra somos construídos. Esquecemos com facilidade, imagino que sem qualquer ponta de maldade ou ocultas intenções, o quanto aqueles que nos precederam ou acompanharam contribuíram para a construção do que hoje somos. Talvez por essa razão nos sintamos, nas nossas preces ou nas nossas relações societais, quase sempre mais livres quando expressamos o que nos falta, a necessidade, do que damos graças, louvamos ou agradecemos o que nos foi dado. Choramos e lamentamos mais facilmente a perca do que valorizamos e louvamos o legado que ela nos deixou. À volta desta espécie de ingratidão da condição humana, construímos todo um simbolismo assente em memórias, recordações, devidamente emolduradas, e sofremos de uma espécie de castração que nos impede de desenhar o futuro a partir dos esboços que outros nos deixaram. Mas, e apesar dessa nossa ingratidão, não deixamos de ser uma construção espantosa onde todos os materiais, sendo tão diferentes, se conjugam e se imbricam, fazendo de cada um de nós um ser único, cuja solidez da construção será tanto maior quanto maior for a capacidade de combinação e montagem dos materiais à nossa disposição.

Certamente por tudo isso, o futuro também mora nas mil e uma molduras da vida, saibamos nós libertá-lo e, de coração aberto, assumir o risco do imprevisível e acolher na nossa vida a aventura dos dias.

Bem-haja, Colaço.

Sejam Felizes em Seara de Gente com um abraço fraterno do

José Centeio



publicado por animo às 00:03
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 21 de Novembro de 2014
A INFLUÊNCIA DA MALINHA DE CARTÃO NA DIETA MEDITERRÂNICA

Caro Amigo Colaço,

Isso do follow-up tem muito que se lhe diga, pois eu passo a vida a mudar as setinhas, ou seja, entre prioridades e exigências, lá o vou adequando ao meu tempo. Aí tens a prosa que, como sempre, me deu muito gozo escrever. Não foi escrita no silêncio e recolhimento da noite, mas ao ritmo de uma tarde chuvosa e por entre outras trapalhadas e interrupções profissionais. Espero que os outros tenham tanto gosto e prazer a lê-lo como eu tive a escrevê-lo. 
Envio também umas fotografias da mala do Saúl.
Um grande abraço. 
José Centeio

unnamed23.jpgK.jpg

 

 

“A influência da malinha de cartão na dieta mediterrânea»

Quando o Fernando Ramos lançou o mote do Encontro, confesso que mais me pareceu um título de uma qualquer palestra, agora tanto à moda, de quem tem receita para todos os males da gula ou do apetite desenfreado. Numa tentativa para decifrar mote tão enigmático, bem tentei desinquietar o Fernando para que a todos esclarecesse tal mistério. Mas o rapaz fez ouvidos de mercador e deixou-nos a todos nós com a árdua tarefa de, cada um a seu jeito, descobrir o que se esconderia para além das palavras. E aconteceu, por artes mágicas ou por milagre, que as palavras soltaram em mim memórias longínquas de viagens, de odores e de paladares diluídos no tempo e nas encruzilhadas da vida. Assim, ainda menino – imagino que amedrontado - me revi de viagem até ao Gavião e, num qualquer momento de convívio improvisado, saborear as iguarias que cada mala escondia e que nos prendiam aos mimos do lar então distante. Esta era porventura uma dupla transgressão: por um lado, a subversão das regras e, por outro lado, a teimosia em mantermos essa ligação à Terra que era, no fundo, a afirmação da nossa liberdade e identidade. Revisitadas as memórias, lá parti para Alferrarede tendo como companhia os agora redescobertos pela persistência do Manuel Domingues, José Mateus e Fernando Dias. Na viagem até Alferrarede outras memórias se libertaram, algumas comuns e outras muito pessoais, mas todas elas fazendo parte de um coletivo que foi, e continua a ser, bem nosso.

DSCF6827.jpg

DSC01715.jpgkk.jpg

 

Chegados a Alferrarede qual não foi o espanto quando vimos o Saúl carregando uma mala de cartão, daquelas em tom castanho, daquelas onde outrora se carregavam misérias e se transportavam sonhos. Não me perguntem as razões, mas não consigo imaginar esse singular objeto de uma outra cor que não seja o castanho! Voltando à mala do Saúl, que diabo carregaria ele? Ao abri-la, o mistério desfez-se e o espanto de todos nós foi ainda maior que o próprio conteúdo. Ali estavam as memórias de todos nós, bem arrumadinhas, estimadas, acarinhadas, mas que, por milagre ou artes mágicas, de repente ganhavam vida e deixavam de ser apenas memórias para se tornarem presente. Era a magia do reencontro a partir das memórias do Saúl, também pertença nossa, que libertaram histórias tecidas de recordações, mas com pinceladas de presente. Nessa embriaguez causada pelo reencontro com outros e as suas memórias, descobrimos afinal um pouco do que somos e, irremediavelmente, do que continuaremos a ser, mesmo que disso não tenhamos consciência. Da mala do Saúl saíram fotos devidamente emolduradas, livros, catecismos, o velhinho livro de solfejo, álbum de finalistas e, imaginem, até um caderninho de retiro. E ali, no meio daquele convívio irmanado, eu descobri, o que estava por detrás do desafio do Fernando Ramos. A mala que em miúdo servira para transportar alguns haveres, mas também odores e paladares da Terra, como chouriço, paio, bolinhos, guloseimas e até aguardente de medronho, era agora o repositório de memórias. Confesso que nunca havia pensado no quanto terá sido importante e simbólico uma simples mala na nossa vida de viajantes. Pergunto-me o que, ao longo desta viagem, eu fui retirando da mala para que nela coubessem outras coisas que na vida fui encontrando e, em cada momento, me pareceram mais importantes. A mala que nos acompanha diz por certo muito das opções que tomamos ou daquelas que abandonámos e o que nela guardamos, aquilo que pensamos ser importante que nos acompanhe na viagem, é porventura algo tecido de memórias onde os outros têm lugar de destaque. Só assim se assim se entende que teimemos em nos encontrar, apesar das distâncias físicas ou outras menos visíveis e, quem sabe, indizíveis. Um grande bem-haja ao Fernando pelo que o desafio lançado nos permitiu e ao Saúl por nos mostrar o quanto nos sabe bem abrir a nossa mala e partilharmos com os outros as memórias guardadas sem receios do olhar do outro.

Este nosso segundo encontro, decorridos que foram dois anos desde o primeiro, se dúvidas ainda houvesse foi a confirmação de que outros se seguirão. Por razões diversas, alguns daqueles que estiveram no primeiro encontro viram-se agora impossibilitados de marcar presença, mas outros (Capinha, Mateus Ramos, Fernando Dias, Artur Gonçalves, José Gonçalves, Farinha Alves) responderam ao apelo e marcaram presença. Outros ainda, como o Francisco Vaz, ficaram felizes pelo contacto e se ainda não foi desta que tivemos a oportunidade de os reencontrar, sê-lo-á num próximo encontro. Para que conste dos Autos, aqui se registam os nomes dos convivas: Artur Gonçalves, Adérito Mateus, Abílio Lourenço, José C. Gonçalves, António Oliveira, António Rei Neto, Carlos Lopes, Eugénio L. da Cruz, Fernando Dias, Fernando Ramos, João Carlos Dias Henriques, João Conceição, João Chambel, Jorge Nogueira, José Farinha Alves, José Capinha, José H. Mateus Dias, José L. M. Catarino, José Centeio, José M. Ramos, Luís P. Dias, M. Domingues, Mário Pissarra e Saúl Valente. Como alguns se fizeram acompanhar pelas respetivas companheiras, o fausto banquete foi servido a uma trintena de convivas. No final, o nosso amigo Chambel, além de presentear as senhoras presentes com um dos seus chás de Terras de Guidintesta, regalou-nos com uma prova das suas deliciosas infusões.

Esta prosa que agora aqui partilho, devo-a em parte ao Chico Vaz, porque foi ele o primeiro, sem o saber, a desafiar-me para a aventura da escrita. Importa dizer que o Chico Vaz, a quem nós com carinho apelidávamos de Bobo, era o poeta divertido, que a partir do nada fazia poesia e que a todos divertia. Imaginem que chegada a altura de ter que escrever sobre alguém (não me recordo sobre quem) para o Álbum de Finalistas e recorri, convicto de um SIM, ao Chico para que me «safasse», ele me atirou à cara um assertivo «NÃO». Mas o Chico, na sua enorme bonomia, acrescentou qualquer coisa do tipo: Escreve que eu depois dou um jeito. E assim foi. Guardei para sempre este pequeno episódio e com ele aprendi que, por vezes, um difícil «NÃO» pode despertar em nós dons ainda não revelados. Sem ter certezas, quero acreditar que a amizade, mesmo se construída de silêncios e distâncias, será também feita destes pequenos gestos que perduram para todo o sempre dentro de nós.

Uma última, mas não menos importante e reconhecida, palavra para o nosso amigo Manuel Domingues, pela sua persistência e quase arte de detetive em ir descobrindo os nossos antigos companheiros. Bem-haja, Manuel.

Aqui fica um pouco da forma como vivi e senti este segundo encontro em Alferrarede. Será certamente um olhar muito pessoal, mas um dia quando se tornar memória – nunca nostalgia, porque o tempo não se repete – quem sabe se não será um olhar de todos nós.

Sejam Felizes em Seara de Gente.

Um grande abraço do amigo

DSC01668.jpg

 

José Centeio



publicado por animo às 23:17
link do post | comentar | favorito
|

JOSÉ CENTEIO REENCONTROS ENTRE OS SILÊNCIOS E AS DISTÃNCIAS. mais logo

 

DSCF6800.JPG

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A mala falante!
Ou de como o Zé Centeio nos ceifa uma seara de palavras carregadas de um passado mais que presente no hoje dos dias!
Sim, porque o futuro também pode morar nas mil e uma molduras da vida!

IMPERDÍVEL!!!
MAIS LOGO!!!!
antónio colaço



publicado por animo às 16:09
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 18 de Novembro de 2014
ENCONTROS MAIS SABOROSOS COM O DECORRER DOS ANOS escreve Joaquim Nogueira

unnamed.jpg39.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Amigos e Colegas:

Embora não sendo hábito apresentar contas das reuniões convívio realizadas em Lisboa, devido à simplicidade da organização, venho, por este meio, dizer algumas palavras sobre o evento.

Antes de mais, enaltecer a maneira como correu, tendo sido patente o interesse demonstrado pelos participantes em terem encontrado colegas e amigos que há muito tempo não se viam.

Foi uma alegria. Toda a gente estava bem disposta e não foi muito fácil abandonar a sala de convívio. De facto e contra o que é habitual, os convivas ficaram “agarrados” às cadeiras durante muito tempo após o repasto, sinal evidente que se sentiam bem, recordando tempos antigos e trocando impressões, principalmente sobre as suas famílias, congratulando-se sobre a vivência das mesmas, lembrando, a maior parte, que os ensinamentos e hábitos, adquiridos na nossa infância e adolescência, nos Seminários , foram a “pedra de toque” para a amizade e preparação para a vida sã e exemplar que nos foram norteando ao longo da nossa “caminhada”.

Mais longa e custosa para uns, menos longa, por enquanto, e menos custosa para outros. Certo é que as nossas origens e a personalidade com que a vida de cada um foi sendo enriquecida e a que não pode ser alheia a nossa estadia nos Seminários , nos foram modelando e serviram para que nós não nos esquecessemos e tivéssemos mantido a sã amizade da nossa infância e juventude. Como ficou bem demonstrado neste e noutros convívios que temos vindo a organizar e a manter.

Considerando-me do grupo dos mais idosos, presentes- não esquecendo os mais próximos, como o Manuel Inácio, o Alberto Dias, o Figueira e outros que já ultrapassaram os oitenta e de que não me recordo o nome, agora – temos muito orgulho em manter esta Associação de mais ou perto dos 50 anos de vida, associando-nos com prazer aos mais novos, estando contentes por saber e constatar que outros mais novos não deixarão morrer estas reuniões e convívios que mais sabor têm com o decorrer dos anos, pois é, normalmente, nesta altura da vida, que mais necessitamos de convívio e amizade, sendo certo que as melhores amizades são as da infância.

Pensávamos nós (organização) que teríamos 20 ou 30. No fim tivemos problemas com o dono da Parreirinha, tendo-nos exigido que o máximo que admitiria seriam 40. No fim, fomos 46 e o Senhor Manuel Pedro sempre foi arranjando lugar “para mais um”,tendo tudo corrido bem, segundo penso. Não vou ser mais extenso, até porque não costumo escrever para a ANIMUS ,aproveitando apenas para agradecer a colaboração do Heitor, do Pires Antunes, e do Mendeiros Pedro e outros que, em colaboração, fizemos o melhor que sabíamos e, graças a Deus, tudo correu bem.

Comecei por falar em prestação de contas e já me ia esquecendo. Aqui estão elas:

Almoço completo   -----------46 pessoas X €16,00--------------------= €736.00

Mendeiros Pedro –Euromilhões-----------------------------------------= €   10,00

Sêlos do correio para as circulares--------------------------------------=€     30,00

Fotocópias das circulares------------------------------------------------=€       10,00

Gratificação no restaurante------------------------------------------   --€   20,00           € 806,00

R E C E I T A --------------------46 X €17,50---------------------------------------------- ----€ 805,00

Esperando que se consiga organizar NOVO ENCONTRO para o fim de JANEIRO de 2 015, como foi hábito nos célebres encontros da BURACA, a todo(a)s dou um abraço e a minha muita amizade, JOAQUIM DIAS NOGUEIRA.   Lisboa, 17-11-2 014.

 



publicado por animo às 23:19
link do post | comentar | favorito
|

FOI BOM REVIVER OS TEMPOS IDOS escreve Fernando Dias

DSCF6832.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

NR-Será que acertamos, Fernando?Um abraço e aparece mais vezes!!!!Obrigado.
antónio colaço

 

Boa Tarde a todos os amigos em especial aos da mala de cartão.
Belo grupo; alguns recordava, outros nem tanto, mas como foi bom reviver os tempos idos.
Belo lugar para conviver.
Belo almoço mediterranico.
É pena não estar na foto de conjunto, mas estou a brindar com o Padre Mendonça.
Obrigado
Abraço
Fernando Dias



publicado por animo às 23:13
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Segunda-feira, 17 de Novembro de 2014
ALFERRAREDE . OS TRINTA DA MALA DE CARTÃO reportagem de Zé Centeio e Manel Domingues

Caro Colaço,

Aí vai a primeira reportagem fotográfica do Encontro de Alferrarede, onde estiveram presentes 30 pessoas. O Mendonça passou por lá para nos dar um abraço e receber da nossa parte um sentido abraço de bem-haja. Apenas teve tempo para a sobremesa.
Amanhã à noite conto enviar-te um pequeno texto sobre o encontro, o qual teve como mote "A influência da malinha de cartão na dieta mediterrânea".
Mas sobre isso depois contarei.
Um grande abraço,
Zé Centeio
NR
Tal como dissemos para os participantes do encontro de Carnide, também aqui, as nossa desculpas pela deficiente edição de fotografias dadas as presentes dificuldades de edição no Sapo, a que somos alheios.
Adiantamos algumas fotos aguardando as imagens outras que amanhã a qualidade literária do Zé Centeio até nós fará chegar!
Parabéns a todos os participantes deste encontro de Alferrarede.
Sempre dissémos - e foi a nossa prática pessoal - que é importante reconstruir as velhas solidariedades dos colegas de cada ano, independentemente de uma partilha mais global em termos de diocese.
Estes amigos estão bem embalados e Alferrarede é já um feliz lugar de reencontro.
ac

DSC01715.jpgkk.jpg

 

alcains1.jpg

 

DSCF6835.jpg

 

DSCF6832.jpg

 

DSCF6829.jpg

 

 

DSCF6831.jpg

 

DSCF6815.jpg

 

DSC01688.jpg

 

DSC01689.jpg

 

DSC01687.jpg

 

DSC01693.jpg

 

DSC01658.jpg

 

DSC01683.jpg

DSC01668.jpg

 

DSCF6833.jpg



publicado por animo às 23:14
link do post | comentar | favorito
|

SÃO MARTINHO/CARNIDE RUIDOSO MAS SABOROSO escreve António Henriques

Encontro na Parreirinha de Carnide

RUIDOSO MAS SABOROSO

Sempre foram 47 os comensais que se juntaram na Parreirinha de Carnide para uma saborosa confraternização, em que celebrámos o S. Martinho e a nossa amizade.

A massa com peixe estava deliciosa assim como o arroz doce, amarelinho, à moda da Sertã. Também saboreámos as castanhas com jeropiga e o café foi acompanhado de uma boa medronheira que o Nogueira ofereceu.

Mas o principal foi mesmo aquele saboroso abraço que demos a alguns que há muito não víamos (o João Porfírio, o Manuel Bugalho, o João Farinha Alves, o José Castiço…). E até houve ocasião para algumas surpresas, para o reconhecimento de malta que já não conhecíamos. E também pudemos ouvir a perorar, com a categoria de sempre, o Chico Cristóvão (poeta, eu?!)… Nós nem sequer estamos à espera de alguém dizer novidades. Basta um fulano levantar-se e logo nos vem à mente um mundo de memórias que se avivam e constituíram o elemento mais estruturante do nosso crescimento. Sim, que as recordações da nossa juventude hão-de caminhar connosco até sempre…

É verdade que a comunicação entre todos não era fácil, dado o ruído ambiente do restaurante, em que não estávamos sós. Até quisemos calar o ruído com algumas canções pop (ulares), onde sobressaíram o Nogueira, a São do Alexandre e eu, o Henriques. Mas também não deu resultado!

Conclusão: o Mendeiros esteve a fazer de chefe, parabenizando todos os presentes, especialmente os que vieram pela primeira vez, lembrou o P. Horácio e o P. Álvaro, doentes, que gostaríamos de ver connosco e esteve a falar dos próximos encontros de Janeiro e de Maio.

Aqui, acho que posso falar da nossa organização desorganizada em que as coisas avançam porque há vontade de todos se quererem encontrar. Cá fora, falando com o Torres Heitor, percebi que o ruído abafou muitas palavras do Mendeiros, que fala bem e às vezes não é ouvido. Tive ocasião de insistir com o Torres Heitor para reservar os espaços das Irmãs de Santa Clara, em Linda-a-Pastora, para o último sábado de Janeiro… Aí poderemos escutar-nos bem uns aos outros. Ainda falámos em arranjar padre para a celebração, o que não será tarefa de monta.

Ah! Já me esquecia de dizer que, a pedido do Rogério, continuei a sua tarefa de Proença, recolhendo dados actualizados (moradas, telefones, emails…) de mais 24 antigos alunos. Era bom podermos chegar a todos de uma maneira célere e eficaz. Mas tudo anda por aí um pouco à deriva e, a meu ver, precisamos de nos organizar melhor.

Valeu a pena? Claro que valeu… Obrigado a quem se esforçou. Lembro o Nogueira, o Torres Heitor, o Mendeiros, o Pires Antunes. E não posso deixar sem uma referência especial o gesto lindo do Martins da Silva, que ofereceu uma flor a cada uma das senhoras presentes. Quanto ao mais, desculpem-me as falhas.

Também lembrámos alguns que faltaram e pensávamos que viriam. Mas o que havemos de fazer? Respeitar sua liberdade e fazer a festa na mesma. Estamos vivos e ainda nos mexemos. Graças a Deus!

António Henriques

NR

A actual dificuldade em editar as imagens no Sapo leva-nos a ficar por aqui.
Continuamos alheios a este impedimento temporário.
De todo o modo percebe-se que a alegria foi muita e extravasou as portas da Parreirinha.

ac

Fotos Eduardo Oliveira

1743519_10203238897640372_3011030053416172853_n.jp

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

10647020_10203238907200611_5094652592300798037_n.j

 

 

 

10801652_10203238893520269_2263117000544895860_n.j

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fotos ZVD

unnamed.jpg13.jpg

 

IMG_9920.jpg

 

IMG_9874.jpg

 

 

 

 



publicado por animo às 20:32
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 15 de Novembro de 2014
EM CARNIDE SÃOMARTINHOU-SE

IMG_9920.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

IMG_9874.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

unnamed.jpg31.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

unnamed.jpg9.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

unnamed.jpg15.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

unnamed.jpg37.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Reportagem assegurada pelo ZVD-Zé Ventura Domingos.
Editaremos mais imagens assim que nos cheguem as palavras de quem por lá esteve.
ac

 

 

 

 



publicado por animo às 23:57
link do post | comentar | favorito
|

MESA DE FAMÍLIA ALARGADA JUNTA TRINTA COMENSAIS

 

13724303_YZiHr.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

13724309_lvZZm.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(NR-Imagens do almoço de Setembro de 2012 enquanto não chegam do almoço de hoje.ac)

Senhores, amigos

 
Consumado o almoço de Alferrarede. Foram 30 os convivas na casa dos cinquenta.
 
Abílio Lourenço
Adérito Mateus
António Damas
Antonio Oliveira
António Rei Neto
Artur Gonçalves
Carlos Lopes
Fernando Dias
Fernando Ramos
João Carlos
João Chambel
João Conceição Mateus
Jorge Nogueira
José C. Gonçalves
José Capinha
José Farinha Alves
José H.  M. Dias
José L. M. Catarino
José Centeio
José M. Ramos
Luís P.Dias
M.Domingues
Saúl Valente
E mais 7 acompanhantes e a agradável visita do Padre Mendonça.
Uma autêntica mesa de família alargada.
 
Ainda não há mais motivos para reportagem
Abraços
Manuel Domingues
 

 



publicado por animo às 23:56
link do post | comentar | favorito
|

Contador
pesquisar
 
Junho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
16
17
18

19
20
21
22
23

26
28
29


posts recentes

ANIMUS DE LUGAR DE ENCONT...

ESTÁ TUDO DITO

ANIMUS O FIM há sete anos...

VEM AÍ A "ANIMUS SEMPER" ...

ANIMUS SEMPER escreve ant...

comasalpcb@gmail.com O E...

O RESPEITO NÃO SE DECRETA...

DAS ELIMINAÇÕES A CAMINHO...

ESTE BLOG TERMINA NO FINA...

NUNCA ACEITAREI REGRAS SA...

arquivos

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

links
subscrever feeds