Terça-feira, 18 de Outubro de 2011
FLORENTINO BEIRÃO SERVE PAPAS DE ALCAINS.JOÃO LOPES PROVOU E...GOSTOU!

Mais um grande livro do Florentino “ As festas das papas são em Alcains o mais belo padrão dos nossos usos e costumes da terra e do seu folclore regional” ( p.144)

 Trago aqui à colação esta proposição judicativa para me referir e prestar homenagem ao último livro do nosso Florentino Beirão “ A Festa das Papas de Alcains.-Um santo bodo da Beira Baixa” edição da Câmara Municipal de Castelo Branco, 2011, 240pp,- uma obra, a nona, da auspiciosa carreira do autor, um incansável investigador a quem Alcains e toda a nossa região da Beira-Baixa muito devem na definição da sua identidade histórica e cultural.

Trata-se de um ensaio de carácter histórico e etnográfico, de grande fôlego e rigor, sobre a vitalidade de uma tradição religiosa que remonta, pelo menos a 1640, ano lendário da praga de gafanhotos, e das suas metamorfoses ao longo do tempo. Numa linguagem simples e leve, mas rica e sumarenta no conteúdo, o Florentino vai desenrolando em nove capítulos e anexos a história dos bodos sagrados em honra do Santo Espírito, de S. Sebastião, Nossa Senhora e S. Pedro, que no chão templário da nossa Beira, se celebravam em clima de festa e de partilha comunitária.

Provavelmente, não faltarão pessoas a relegar estas promessas, votos ou bodos antigos, para o museu da saudade, peças de um património imaterial caído em desuso, ainda aqui e ali sobrevivendo como repasto da nova indústria do turismo de massas. Infelizmente, é verdade! Mas só em parte. E o nosso autor assume a tarefa de demonstrar, num estilo crítico e problematizante, o mais adequado às ciências humanas e sociais, que ainda será possível recuperar, com as devidas adaptações, a estrutura celebrativa, sacro-profana, desses rituais comunitários.

 Mais.

 A reactualização dessas ricas manifestações da religiosidade popular torna-se hoje mais urgente como forma de lutar contra o flagelo da desertificação do nosso interior rural, o laicismo niilista militante e o camartelo do capitalismo financeiro globalizado, que ameaça arrasar a diversidade cultural da nossa vivência histórica e , de uma golpada, cínica e gelada, enterrar no rio do esquecimento os direitos humanos fundamentais. Claro que não chegam os bodos, votos ou promessas que o povo a Deus fazia, em momentos de aflição colectiva, numa lógica de aliança ou compromisso histórico e inter-geracional. Mas a lição vivida da partilha, o sentido comunitário da festa, a fé inabalável do povo no Senhor e nos seus santos, que connosco fazem “história”, pode dar- nos uma “ forcinha” para resistir e lutar contra o “ gafanhoto”, símbolo bíblico e metáfora sinistra de todas as calamidades que se agarram à nossa pele, como ,outrora, os malditos insectos enegreciam as paredes das casas e das igrejas.

 

O Florentino não se limita à descrição etnográfica das festas. Desce até ao subtexto cultural que lhes dá coerência e sentido. E aqui se enlaçam as grandes correntes da espiritualidade que, a partir do séc. XII, no tempo da fundação da nacionalidade, apontaram nos céus da Europa: a visão profética do império do Santo Espírito do Abade Joaquim de Flora (1135-1202), o franciscanismo e a divulgação entre o povo do culto do Santo Espírito com todo o seu potencial contestatário e subversivo e o movimento dos templários que percorreram durante dois séculos as terras beirãs, gritando: Não a nós, Senhor…enquanto lançavam o grão nos campos que iam desbravando.

 Povoar e cultivar para defender o território era o seu lema de autênticos colonizadores ( no sentido etimológico do termo). Da premente actualidade desta mensagem parece-me não haver dúvida! Em D. Dinis ( 1261-1325) o templarismo exprimiu-se numa nova síntese criativa: arar os campo e lavrar os mares, ( p.218), espírito de trabalho e aventura-temática abordada no nosso blogue pelo ilustre historiador António Manuel dos Vales .( Ó Tó Manuel, perdoa-me se digo alguma enormidade!)

É dito que a parte profana das festas se autonomizou, obnubilando-se a vertente religiosa. Sendo assim, aos cristãos o dever de não deixar que se apague a motivação principal da sua origem, a sua ligação genética à Providência, ao “ Pai Nosso que estais na terra”, que nos segue e acompanha nos trilhos sinuosos da vida. Para que se não perca a sua autenticidade. Para que seja possível com a festa- fenómeno comunitário de partilha e de subversão do poder e das rotinas - sonhar o futuro! “ Sem identidade e sem memória, os povos definham e morrem,”( p.212) , palavras sábias do nosso amigo e companheiro, que merecem o nosso acolhimento e aplauso total .

 

João Lopes



publicado por animo às 23:42
link do post | comentar | favorito
|

Contador
pesquisar
 
Junho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
16
17
18

19
20
21
22
23

26
28
29


posts recentes

ANIMUS DE LUGAR DE ENCONT...

ESTÁ TUDO DITO

ANIMUS O FIM há sete anos...

VEM AÍ A "ANIMUS SEMPER" ...

ANIMUS SEMPER escreve ant...

comasalpcb@gmail.com O E...

O RESPEITO NÃO SE DECRETA...

DAS ELIMINAÇÕES A CAMINHO...

ESTE BLOG TERMINA NO FINA...

NUNCA ACEITAREI REGRAS SA...

arquivos

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

links
subscrever feeds