Segunda-feira, 27 de Junho de 2011
MATINAS

Estar vivo é pegar neste enevoado rio e acreditar que o sol só espera que esperemos por ele.Mesmo que o serviço de Metereologia julgue que nos condiciona a vontade de brilharmos nos rostos daqueles que em nós confiam e por nós esperam, também.

Tal como Vasco Pulido Valente (In Publica,25.6.011)"a vida de uma pessoa são as pessoas com quem anda, os amigos que tem..."

Obrigado.
antónio colaço

 



publicado por animo às 10:00
link do post | comentar | favorito

Domingo, 26 de Junho de 2011
PARABÉNS, ZÉ VENTURA DOMINGOS!

 

Meu caro Colaço
 
O relógio não pára e os dias sucedem-se ritmadamente e nunca se atropelam. Seguem sempre de forma ordenada, nunca a terça feira se posiciona à frente da segunda, o mesmo acontecendo com todos os outros dias. E, esta sequência ordenada de dias leva-nos aos meses e aos anos.
Pois é, já lá vão tantos dias que encontrei o José Ventura no seminário do Gavião que é quase impossível contá-los, contudo, em anos, posso dizer que já lá vai meio século.
Hoje, dia 26, o nosso José Ventura Fernandes Domingos (962311894)fecha mais um ciclo de 365 dias.
Parabéns Zé!
Um abraço
Adriano

_______________________________

 

Meu caro Zé Ventura, antes de te enviar a minha prenda, deixa que convoque para aqui, esta imagem onde temos o privilégio de ter a companhia desse querido amigo do meu ano, o Engº Ernesto Afonso,no que será uma alegria ser reencontrado, pelo menos aqui, por alguns colegas que o conhecem!

Desculpa esta pequena partida, Ernesto!

2

E agora, "em directo" da Matriz de Mação, e com a subida honra de um dia ter podido subir ao órgão da pequena capela alcainense - onde te invejava em cada gesto - e ali ter iniciado os primeiros e incipientes passos na organística arte, aqui fica este despretensioso "Improviso em SOL MAIOR" para festejar os teus anos!

Parabéns, Zé!!!

antónio colaço

 



publicado por animo às 00:09
link do post | comentar | favorito

Sábado, 25 de Junho de 2011
ADRIANO AFONSO E JOÃO PERES .REENCONTRO NA INVICTA!

 

Meu caro Colaço
Numa recente passagem pelo Porto achei por bem visitar o meu (o nosso) sempre querido amigo João Peres, ilustre advogado na invicta cidade.
Não resisti a, utilizando o telemóvel, e captar uma fotografia da porta de acesso ao prédio onde si situa o seu escritório, Subi as escadas, que os anos e o desgaste provocado pelos clientes, tornaram ligeiramente inclinadas para a rua.
Subi e, de novo, uma porta me indica ter chegado ao leu objectivo - "João Peres Advogados"

Fui dar com o nosso João mergulhado em trabalho, mal se via atrás do montão de processos pousados sobre a sua secretária. Almoçámos juntos, num restaurante não muito longe do escritório, em ambiente familiar e, mais uma vez se comprova que o seminário, para além de nos ter ligado na infância/juventude, criou laços que o tempo, ao invés de corroer, de destruir e levar ao esquecimento, tem fortificado.


São estes laços de amizade que penso serem benéficos entre todos aqueles que um dia estiverem juntos no Gavião, em Alcains e até mesmo em Portalegre. Existe sempre um ou vários ex-alunos por quem sentimos uma maior proximidade e não podemos esperar pelos oitenta anos para viver essas amizades - nessa altura, possivelmente, já nos tiraram a carta de condução! Aproveitemos a vida e vivamos a amizade.
Felizmente os reencontros até agora levados a cabo já me proporcionaram restabelecer amizades que, durante muito tempo. estiveram ausentes. Sim, estes reencontros foram e continuarão a ser benéficos para reaparecermos, a amizade (ou não) só o tempo a ditará.
Existem alguns antigos alunos que gostaria de reencontrar. Espero reencontrar um dia o Seminário.
Um abraço
Adriano



publicado por animo às 21:47
link do post | comentar | favorito

HÁ VIDA NA CHARNECA.JOÃO LOPES CONTINUA A EVOCAR PE HORÁCIO

 

 Podíamos quedar-nos por aqui, no limiar da Charneca Alentejana. Do autor, do seu estilo e modo de estar na vida e na arte, já foi dada uma ideia geral. Muito geral, mesmo! Não sei se o bastante para captarmos a poesia da alma da charneca sussurrante, a beleza simples e plana da paisagem, que se estende sob “ um céu tão azul e um ar tão límpido”(p,24). Acresce que poucos de nós podem ler  a  obra, há muito esgotada! Por isso, um breve resumo - e quase só isto- dos vários episódios que a compõem, como frescos de determinado aspecto relevante do Alto Alentejo, pode ser útil e proveitoso. Sobretudo para quem, além do mais, gosta de usufruir do prazer do texto e da arte do paisagista que, à imagem do Criador, nestas narrativas, o P. Horácio tão plenamente se revela.

 E entremos, sem mais demoras, no “CAFÈ ALENTEJANO”, ponto de encontro dos homens da Comenda nos idos da década de 50.  Para quebrar a solidão, o jovem pároco decide, uma noite, entrar no único café da terra. Não é um ingresso festivo e sorridente como se podia esperar na Beira. É todo ele feito de passos cautelosos e estudados. O terreno é resvaladiço e exige muito tacto! A descrição da cena revela um autor/personagem que sabe com jeito e habilidade meter-se na pele do observador observado. Como contactar com aquele grupo de homens, fechados e trancados no seu próprio silêncio?  Que o “olham calados.” Este olhar desconfiado é uma estratégia, uma arma que não deixa de magoar o prior, a outros modos habituado, mas que não o desarma. Ele também os olha e, em traços leves e certeiros, tira-lhes logo o retrato, assim à maneira de Silva Porto: “ Fechados nos seus capotes alentejanos. Rostos bronzeados, duros e impenetráveis. Caras trigueiras. Tisnadas ao calor do sol e das carvoarias. Escuras ainda mais pelas sombras das abas largas. Feições baças e queimadas, como a luz baça e mortiça do próprio candeeiro aceso.”(p.35)

 E, assim, quieto e atento se fica, na mesa que escolheu, para assistir a uma partida de cartas. De repente, uma mudança de humor e de situação! Bastaram uns copitos e a malta logo se animou em exclamações esfuziantes:” - Uma rodada aqui também, ó chefe!”  E o chefe sorri. O que ele quer é entusiasmo…”(p.35) Os copos chegam velozes à mesa do Sr. Prior. Benditos sejam eles que operaram o milagre da comunicação! É o próprio que o confessa, reconfortado por uma onda de simpatia: “ Minutos depois, já me sinto enquadrado no ambiente. (…) E tudo isto me parece já natural - toda esta mistura e comunicação entre professor e carvoeiro, pedreiro e doutor, prior e sapateiro!”(36)

 Retira-se com um sorriso de simpatia e comunhão com aquela gente, que lhe responde, de forma mais confiante, levantando a mão “ um pouquito acima dos olhos.” A primeira prova parecia vencida!

 Passadas algumas semanas, volta ao café. Agora, mais à vontade, atreve-se a uma partida. Joga e perde. Às tantas, levanta-se uma disputa entre os jogadores de uma outra mesa. O narrador aponta para a cena o  seu olhar queirosiano, irónico e perspicaz. A situação, pelo seu potencial cómico, é daquelas que lhe agradam. Era suposto ser o empregado, praticamente o patrão do estabelecimento, ex-polícia e bem- falante, a impor a ordem e a disciplina. Mas qual o quê? Quando viu o caso mal parado, bateu em retirada para a cozinha que é lugar quente! E ao regedor deixou essa incumbência. Reposta a ordem, ei-lo que volta todo pimpão: “ Ó meus amiguinhos: isto, aqui dentro, nem mais um pio, ouviram? Porque, se não,  batem o cavanço para o meio da rua. Isso é limpinho!”(37)  (…) Isto, aqui, quer-se muito respeito!(38)

 Perante tão pitoresca reincarnação do soldado fanfarrão, o “ Miles Gloriosus” de Plauto, o nosso prior teve vontade de rir a bandeiras despregadas. Ouçamos o autor - narrador: “Palavra de honra! Ao ver a antiga autoridade em acção, depois dos ânimos apaziguados, não sei como não estoiro com uma gargalhada que me rebenta dentro do peito.”E do CAFÉ ALENTEJANO também nos fica a memória do empregado gentil e prazenteiro, de “ bigode cinéfilo”, amigo de histórias e bravatas, como todo o alentejano que se preze, e que ao prior deu um jeitinho na sua integração no grupo de trabalhadores que, à partida, nos afastam com o seu ar esquivo e altaneiro.

  Passado um ano, acontece-lhe um encontro singular -deveras singular, com um paroquiano arredio e misterioso!  O curandeiro da terra, que ali se chama “soldador”, palavra esquisita que só na Comenda e arredores se usa com aquele significado. ( Procurei até no Dicionário da Academia e nada! Valeu-me a ajuda  de uma  linguista da Faculdade, que me indicou os vols II e XXXVII da Revista Lusitana, já digitalizada.) Um belo dia, depois de muito hesitar, bate à porta da casa paroquial. Não é um personagem vulgar. O narrador apresenta-o como um homem” pensativo”, olhos no chão”, “ cabeça hirta”, consciente do valor da sua “arte”, que ele próprio atribui a um privilégio divino, um dom inato que se traduz no conhecimento das virtudes das ervas e das plantas. A sua fama de curandeiro/adivinho transpõe fronteiras. Em certos domingos, é um corrupio de gente à procura da mezinha que o bom do homem aplica de graça,  exigindo somente que tenham fé no seu poder. Sem fé, nada! A energia não se desprende do seu espírito e não passa para o “doente”.  Confessa não fazer da virtude negócio, pois o que de graça se recebe de graça se deve dar, mas se caírem alguns cobres sempre é bom para beber um copito com os amigos.

Pelo grau de concentração que exige, a cura dos males do corpo e da alma deixa-o prostrado, diminuído. Sente que algo de indefinível, de muito essencial, emana do mais íntimo de si e se transfere para o “outro”. Apesar disso, a nenhum caso se furta e sempre uma solução se encontra. Não nos livros( é analfabeto), mas no envolvimento total da sua portentosa inteligência e na experiência da vida, sua e dos outros. Ainda agora foi abordado por um rapaz que, morto de paixão, lhe pede para o ajudar a esquecer a rapariga! É que não tem coragem para se confrontar com a oposição da família da moça. Ciente da situação típica do amor correspondido, mas contrariado, o soldador afiança ao pobre Romeu o casamento. Perplexo com tal segurança, o prior pergunta com um sorriso maroto: “- E eles casarão, de facto? – Casam, sim, senhor! Eles gostam um do outro. Qualquer dia, aí os tem. Tudo aquilo é por causa das famílias. Mas não adianta. Tem que ser! Com mulheres, neste ponto, não se faz nada. Com homens, ainda se brinca; com elas, não.”

 O bom do prior, desta vez, não aguenta e explode numa gargalhada sonora, quase homérica. Era demais! A graça do dito picante e subtil daquele velho conhecedor dos meandros da alma humana, sobretudo, da feminina, enche a sala de alegria e boa disposição. E entre aqueles curadores de almas se firmou uma sólida amizade, deveras surpreendente no panorama religioso daquele tempo.

João Lopes

 



publicado por animo às 21:37
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sexta-feira, 24 de Junho de 2011
MATINAS

 

"O Céu e a Terra proclamam a Vossa Glória.Hossana nas alturas!"

A caminho do céu e da terra maçanicas...Em busca das energias para os AAA da próxima quarta-feira,29, no RES PUBLICA, restaurante da Associação 25 de Abril, e que faz sentar à mesa patrões e sindicatos:TROCAR AS VOLTAS À TROIKA?!

Bom fim-de-semana!
antónio colaço



publicado por animo às 12:55
link do post | comentar | favorito

FRANCISCO ANTÓNIO POUSADAS.QUEM É VIVO SEMPRE APARECE!

O frenesi dos últimos dias não tem possibilitado mas hoje, finalmente, lá fomos redescobrir o nosso amigo Francisco Pousadas, de 1961, no primeiro grande reencontro dos antigos alunos daquele ano, em 18 de Julho de 2011, em Abrantes.

O Facebook e o nosso próprio arquivo ajudaram!

 

Tudo porque o Francisco fez anos, há dias, e, parecia-nos, nenhuma referência tinhamos dele.

Afinal...

Tudo isto se diz para relevar que aqui somos todos iguais, pese, embora, alguns possam aparecer ou ser mais conhecidos!

Pessoalmente dá-me uma enorme alegria tal facto!

Um abraço, Francisco!

antónio colaço

 

_________________

Ainda nesta linha, acabamos de receber, e aqui deixamos para o que melhor entenderem, sobretudo- quer dizer, pelo menos!- os do ano do Manuel, que ignoramos, possam com ele contactar.

Obrigado, João Peres.

ac

_________

 

Boa tarde,
 
 O Manuel Roque Lourenço tem o nº  964159924
 
 João Peres

 

 



publicado por animo às 00:35
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 23 de Junho de 2011
PE ÁLVARO DE JESUS NA PROCISSÃO DO CORPO DE DEUS EM LISBOA

 

 

 

O Pe Álvaro, há instantes, na Procissão do Corpo de Deus na Rua da Prata, em Lisboa.

Desta vez não deu para te gritar, como há dois anos, mas, de facto, trazias um cansaçozito espelhado no rosto.

Para te animar, uma vez que a não podias ouvir, fica com um cheirinho da fabulosa banda da GNR a cavalo, aqui em versão reduzida na composição dos seus membros.

Ah!para os nossos leitores, poupamos as imagens colhidas na rectaguarda da banda:uma eficaz equipa de limpeza da CML apanhando os inesperados..."bonicos"!!!

antónio colaço

 

 

 



publicado por animo às 23:02
link do post | comentar | favorito

PARABÉNS,MANUEL ROQUE LOURENÇO

Caro Colaço
Apenas para dar conhecimento de que, hoje, dia 23, faz anos o Manuel Roque Lourenço. Não tenho contactos.
Um abraço
Adriano

 

O que os anos nos fazem, quando fazemo anos!

Parabéns,Manuel Roque!

Manuel, ajuda-nos a descobrir-te!

Uma foto, um contacto....

É certo que no Facebook a tua imagem não existe e logo no "Livro dos rostos"!!!

Até já!

antónio colaço

___________________

ACTUALIZAÇÃO

___________________

 

 Boa tarde,
 
 O Manuel Roque Lourenço tem o nº  964159924
 
 João Peres



publicado por animo às 00:20
link do post | comentar | favorito

MENDEIROS, MINHOCAS, MILHÕES E...CHAMPANHE PARA O 39º MEMBRO QUE FALTA!!!!

CÍRCULO ANIMUS–21.º SORTEIO…À PESCA DOS 119 MILHÕES…E DE OUTRAS COISAS

 

Caros Amigos,

 

1 –  Afinal, era proibido caçar e os dálmatas não nos puderam ajudar. Vamos então mudar de modalidade, optando pela pesca, no encalço dos 119 milhões. Colocou-se-me a questão do isco, sobretudo entre o asticot e a minhoca. Decidi-me francamente pela minhoca, pela simbologia da coisa, lembrando-me do aforismo “qui cum miniu piscator est, champanhius refrescatur “ que é como quem diz “quem com minhoca pesca, com champanhe se refresca”, o que indicia festa rija, pela certa, para a próxima sexta-feira…

 

2 – Tenho recebido muitos comentários por e-mail (jmendeirospedro@sapo.pt) sobre o Logótipo do Círculo Animus, mas ainda espero muitos mais para depois fazer a síntese e, submeter a versão definitiva a votação de todos os membros. Será a primeira votação democrática da história do Círculo, via animus!!! Mas o resultado nunca será comunicado antes de sabermos quem é o membro 39 do Círculo…portanto, quem se oferece para 39??? Além dos milhões com que será premiado levará ainda…bem, mais não digo porque o importante é que venha por solidariedade e não pelos prémios que temos para lhe oferecer…

 

3 – Quanto à Associação, parece-me que anda toda a gente adormecida. Bem sei que o momento não é nada propício ao debate de ideias sobre o nosso associativismo, mas onde andam os pensadores? Continuam a pensar ?  Quem se chega à frente ?

 

Animus, rapace, animus !!!

 

Mendeiros



publicado por animo às 00:01
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 22 de Junho de 2011
DIZER CARDIGOS.DIZER, VEM VERÃO!!!!

Ilustre Colaço,
No primeiro dia de Verão 2011, nada melhor que algumas imagens dos primeiros raios a chegarem a Cardigos.
( Fotos tiradas pouco depois das seis horas, do alpendre da minha "palhota".)
Abraço.
Tó Manel

 

NR

Um privilégio partilhares o sortilégio deste teu amanhecer.Deixas-me sem palavras porque as tuas imagens só pedem silêncio e espanto perante tamanha Beleza.

Obrigado, Tó!

antónio colaço



publicado por animo às 01:16
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Junho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
16
17
18

19
20
21
22
23

26
28
29


posts recentes

ANIMUS DE LUGAR DE ENCONT...

ESTÁ TUDO DITO

ANIMUS O FIM há sete anos...

VEM AÍ A "ANIMUS SEMPER" ...

ANIMUS SEMPER escreve ant...

comasalpcb@gmail.com O E...

O RESPEITO NÃO SE DECRETA...

DAS ELIMINAÇÕES A CAMINHO...

ESTE BLOG TERMINA NO FINA...

NUNCA ACEITAREI REGRAS SA...

arquivos

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

links
subscrever feeds