Terça-feira, 22 de Fevereiro de 2011
OS MAIOS DE MENDEIROS COM KANT E CACHOPAS NA CABEÇA A CAMINHO DA COMENDA

Meu Caro António Colaço,

Ontem diverti-me tanto a escrever a minha primeira crónica

dos "Episódios..." que até me esqueci de a anexar.

Quem fez mais um ano foi o Silvério e, como diria o Manel Carrilho,

quem ficou com ele, fui eu! Ou, como tu dirias, "O que os anos nos

fazem, mesmo quando são os outros a fazer anos!

Bem, desta vez não me esqueço do Anexo.

Então, vá, aí vão os "Episódios..."

Abs

Mendeiros

Caríssimos Animados

Ora, aí está. Os “Episódios da vida de um antigo aluno…” são um óptimo desafio, João Peres.

Mas é caso para perguntar: vocês não nos dão sossego? Ainda há dias tive de mergulhar no âmago mais profundo da “Associação – Formalização, sim ou não?”, e ninguém até agora se atirou ao debate, e já temos novo tema?

Quousque tandem, João Peres, abutere patientia nostra?

Dir-me-ão que uma coisa não impede a outra. Mas então fico à espera de novas sobre a formalização e não se deixe morrer o debate, enquanto vamos recordando o passado…

Mas, meus caros, não esqueçam os pendentes…

   

Apesar disso, não viro a cara a um bom desafio. É claro que o desafio tem de ser bom e tem de haver matéria para tratar. E tem que ser divertido, senão…nada feito.

Neste caso, é tudo bom e divertido e, por isso, vamos a isto.

Na onda do 14 de Maio – Um presente para o nosso passado –, fui ao sótão das minhas saudades repescar memórias do meu tempo. Vou contá-las na animus, nos “Episódios…”. Serão coisas leves, muito leves, para partilhar com todos. Nesta primeira crónica, fui recuar um pouco mais e comecei mesmo pelo “início do meu princípio”. Acabei por terminar no fim… Curioso, psicanaliticamente, curioso..

Creio que outros se irão rever no que vou contar em

LEMBRANÇAS

MAIO E EU

Naquele dia de Maio de 1958, minha mãe, meu pai e eu tivemos a conversa mais aberta e democrática das nossas vidas, porventura, a única aberta e a única democrática, em conjunto, sobre o meu futuro. Foi no quarto da frente, como chamávamos à sala da nossa casa, na Comenda.

Lembro-me muito bem…

O assunto era sério. Meu pai deixou tudo por minha conta, minha mãe quase tudo, mas ambos sabiam das minhas reticências...

Eu queria ser professor, quando fosse grande. Sabia de cor os nomes dos rios, das serras, das vias férreas, reinados, ossos do corpo humano, eu sei lá, conjunções, preposições (a, ante, após, até, com, contra…). Também queria ser um grande jogador de futebol, na altura, ainda sem os constrangimentos da miopia que, mais tarde, iria condicionar o meu rendimento em campo, entusiasmado com Pélé, já vedeta, sonhando jogar ao seu lado na famosa equipa vencedora do mundial da Suécia (Gilmar; Djalma Santos, Bellini e Nilton Santos; Zito e Orlando; Garrincha, Didi, Vává, Pélé e Zagalo).

Pelo mundo eclesiástico, tinha-me deliciado com o violino e a música do P.e Horácio, pároco da Comenda nos meus oito ou nove anos, e andava encantado com a bicicleta do P.e João Gabriel Monteiro com um conta-quilómetros incorporado, mas as minhas dúvidas entroncavam sempre no mesmo pequeno grande pormenor: os padres não podiam casar, e isso deixava-me verdadeiramente desapaixonado pela ideia de ir estudar para padre.

Minha mãe, depois de algum tempo de conversa séria, muito séria mesmo, diz-me com o sentido prático que as mães têm:

 

- J(o)aquim, tu é que sabes, mas não achas que ainda és muito novo para pensares em cachopas?

Ora, nem mais. Foi o clic que me faltava, porque logo se fez luz no meu espírito.Eu tinha dez anos, mas, como menino inteligente que me julgava, agarrei a ideia, dei-lhe a volta e disse para comigo, com aquele sorriso de orelha a orelha característico dos pensadores de convicções profundas:

- Para pensar em cachopas, não me parece, mas não há dúvida de que, para pensar em casar, sou muito novo, e o futuro a Deus pertence.

E foi assim que encontrei a chave do problema e rumei a Gavião, cinco meses depois, liberto daquelas velhas e antiquadas ideias de que os padres não podiam casar.

Passei por Alcains e Portalegre. Por lá andei cerca de sete anos, até ser devolvido ao mundo a que, afinal, sempre havia pertencido. Como, aliás, eu imaginava.

Quando naquele dia de Maio de 1965, em Portalegre, me sentei na camioneta para rumar à Comenda, recordei a conversa do outro Maio, o de 1958.

Dei comigo a pensar como tinha sido eu próprio, naquela altura, a tomar a decisão de ir estudar para o seminário, sendo apenas um simples intelectual de instrução primária e agora, com dezassete anos, tu cá tu lá com os filósofos (Até com o famoso imperativo categórico de Kant!), ninguém me perguntou nada…

Como foi possível, interrogava-me eu?

De novo, um clic, e lá veio a luz que abriu o meu espírito.

Com “altos” conhecimentos de filosofia, eu já tendia a aceitar que, quanto mais sabia, mais sabia que nada sabia e isso levou-me a não estranhar que alguém mais culto e mais sábio, soubesse mais do que eu e decidisse por mim. Uma espécie de “escuta lá rapaz, quem sabe de ti, somos nós, como deves saber”.

Além disso, eu tinha na ponta da língua o princípio evangélico de que muitos eram os chamados, mas poucos os escolhidos, muito diferente de agora, pois são tão poucos os chamados que nem há por onde escolher… e foi isso que me reconfortou.

 

Recostei-me no assento da camioneta da Setubalense, fechei os olhos e dormi profundamente…sobre o assunto.Lembro-me, perfeitamente… como se fosse hoje.

Joaquim Mendeiros

 

 

Post- Scriptum: Maio voltará a estar no meu caminho, dia 14, na Comenda, digo, no Gavião, porque há sempre um reencontro à nossa espera!!!!!

 

NR

E aqui está, meu caro Joaquim, a imagem que faltava.É claro que nem nos passa pela cabeça duvidar de que, por de trás de um ex-filósofo, viajando a "dormir sobre o assunto", na Setubalense, está sempre uma grande "cachopa", perdão, MULHER!!

Venha o próximo "episódio" que tomo a liberdade de imaginar se situa no Largo principal da Comenda, Joaquim, ainda meio ensonado, esfregando os olhos, estupefacto pela recepção do mulherio da Comenda, assomando à porta da "camionheta", e num triunfal gesto erguendo ambos os braços, proclamando:

-CACHOPAS DA MINHA QUERIDA COMENDA, CHEGUEI!Encomendo-me todo a vós!!!

antónio colaço



publicado por animo às 23:34
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Junho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
16
17
18

19
20
21
22
23

26
28
29


posts recentes

ANIMUS DE LUGAR DE ENCONT...

ESTÁ TUDO DITO

ANIMUS O FIM há sete anos...

VEM AÍ A "ANIMUS SEMPER" ...

ANIMUS SEMPER escreve ant...

comasalpcb@gmail.com O E...

O RESPEITO NÃO SE DECRETA...

DAS ELIMINAÇÕES A CAMINHO...

ESTE BLOG TERMINA NO FINA...

NUNCA ACEITAREI REGRAS SA...

arquivos

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

links
subscrever feeds