Segunda-feira, 8 de Fevereiro de 2010
CRÓNICAS AO ACASO. A CRISE E ALGUNS CONTRIBUTOS PARA A RESOLVER (I)

 
Falar da “CRISE” que para aí vai não será à partida uma tarefa muito difícil. O tema é tão vasto que sempre se encontrarão umas larachas para dizer, uns números para apresentar, umas quantas críticas para fazer. Porém, os riscos de repetição e de não dizer nada de novo são também enormes, já que por estes dias este é o tema de todos os temas, a conversa de todas as conversas.
Na verdade, agora mais a propósito do Orçamento do Estado para 2010, somos inundados, a toda a hora, na televisão, na rádio e jornais, com os astronómicos números que estão em jogo, os milhares de milhões das receitas e das despesas, com os deficits, as percentagens, os aumentos, as reduções, os congelamentos, as ameaças, as negociatas, as manigâncias, tudo à volta do Orçamento. É um sem fim de números, de impropérios, de discursos com que nos massacram os ouvidos e a paciência. O que para aí não vai, nos corredores e nas alcovas, de orgasmos, de deleite, de gozo, de angústias e de sofrimentos, tudo pelas vitórias e derrotas das negociatas e negociações à volta do Orçamento e da Crise!
Não gostaria pois de cingir a minha análise apenas às questões que têm sido debatidas – para que de resto me faltaria bagagem – e iria tentar uma abordagem diferente deste tema dos dinheiros, do Orçamento, dos números e rácios que compõem a crise. Em vez de Orçamento gostaria de falar em orçamentos e, em redor dele, de trazer à colação as causas da crise e de apresentar alguns contributos para a superar. Ou seja, mais modestamente, de dar alguns palpites que a experiência adquirida ao longo do caminho já percorrido nos permitiu acumular. 
Como o tema continua a ser muito vasto e para não ser tão maçador vou dividi-lo por algumas partes, não sei ainda quantas, em cada uma das quais direi então qualquer coisa. Deste modo estarei também safo por uns tempos em termos de ir dando continuidade ao compromisso que assumi perante a Animus.
Vejamos então.
Quando penso nesta coisa dos orçamentos e dinheiros lembro-me muitas vezes do meu primeiro dinheiro.
Foi na festa da Nossa Senhora da Agonia, em Setembro, teria eu 9 ou 10 anos, a minha querida mãe deu-me dez tostões. Um dinheirão que chegou para comprar um pirolito, algumas rifas e ainda sobrou muito dinheiro.
 
 
 
Era o tempo em que o dinheiro era pouco, muito pouco. Era-lhe dado o justo valor, não se estragava. Só se comprava o essencial. Na Feira do Roqueiro, em Agosto, o meu avô comprava uma melancia enorme vinda das campinas do Ladoeiro, ali para os lados da Idanha, com que nos deleitávamos à noite no regresso a casa depois de uma hora de caminho. Que delícia!
 
 
Às vezes o meu avô levava-me à vila. A merenda era na tasca do Ti Anselmo, uma mesa de madeira comprida, muito escura e sem toalha, e o menú era invariavelmente atum com cebola e pão de trigo. Um pitéu! Mas o meu avô estava sempre a barafustar que o Ti Anselmo era um ladrão, vejam lá pagar quinze tostões só por isto! Mas voltava sempre à tasca do Sr. Anselmo.
Os homens que trabalhavam de sol a sol, na dureza da lavoura, ganhavam 10 escudos se fosse a comer e 20 escudos a seco.
Mas havia dignidade, bonomia, as pessoas eram frugais, vivia-se com o que se tinha.
Bom, mas como diriam os meus filhos, isso foi há 50 anos, só sabes falar do que acontecia há 50 anos.
Pois é, mas perante o desvario, perante o esbanjamento que se foi apossando dos nossos tempos, quem nos garante a nós que não teremos que regressar a alguma práticas desse passado de há 50 anos?
Não preconizo o regresso a esse tempo. Não tenho nenhumas saudades dos sacrifícios, da escassez do tempo antigo. Mas talvez os políticos que temos fizessem muito melhor os Orçamentos se conhecessem o país onde têm as raízes, se o dinheiro lhes custasse a ganhar, se se inspirassem em valores que desconhecem, que já esqueceram ou que nunca chegaram a aprender.
E que todos também nos lembrássemos que mais de metade da humanidade vive com menos de um euro por dia!
 
Uf! Aqui está a primeira crónica. Espero que sejam complacentes. O tema segue em próximos números. Até que me mandem ter juízo.
Lisboa, 8 de Fevereiro de 2010
 
Silvério Mateus

 



publicado por animo às 16:15
link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



pesquisar
 
Junho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
16
17
18

19
20
21
22
23

26
28
29


posts recentes

ANIMUS DE LUGAR DE ENCONT...

ESTÁ TUDO DITO

ANIMUS O FIM há sete anos...

VEM AÍ A "ANIMUS SEMPER" ...

ANIMUS SEMPER escreve ant...

comasalpcb@gmail.com O E...

O RESPEITO NÃO SE DECRETA...

DAS ELIMINAÇÕES A CAMINHO...

ESTE BLOG TERMINA NO FINA...

NUNCA ACEITAREI REGRAS SA...

arquivos

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

links
subscrever feeds